Congressos, entrevistas e notícias

Câncer de Testículos

Nenhum comentário

 

O câncer de testículo é uma doença que afeta, principalmente, adultos jovens e a neoplasia maligna mais frequente em homens entre 20 e 35 anos. Com o diagnóstico precoce e um tratamento correto a chance de cura é muito grande.

De forma geral, o câncer de testículo pode ser de dois tipos: Seminomatosos (crescimento mais lento) e os não seminomatosos (crescimento mais rápido e mais agressivo).

A presença de nódulo testicular, ou o aumento do volume testicular são as principais queixas que o paciente refere, mas nem todo aumento testicular é câncer. Há condições benignas que aumento o volume do testículo ou da bolsa como: hérnias, hidrocele, cistos e etc. Portanto, um urologista experiente deve ser consultado sempre que qualquer alteração testicular for observada pelo paciente ou por outro medico não especialista. Em fases mais avançadas do tumor o paciente pode apresentar emagrecimento, dor abdominal, falta de ar, etc.

O retardo no diagnóstico pode levar ao crescimento tumoral e disseminação da mesma. Cerca de 50% dos pacientes já chegam ao médico com diagnóstico de doença difusa pelo corpo, mas mesmo nestes casos a chance de cura é boa com o auxilio de quimioterapia e da radioterapia. O autoexame dos testículos é fundamental par um diagnóstico precoce.

A ultrassonografia do testículo é um método de imagem fundamental no estudo do câncer de testículo. Ela é capaz de diferenciar massa testicular de outras doenças como hidrocele, hérnia, etc e possibilitar o diagnóstico de tumores muito pequenos intratesticular. As tomografias de abdome e tórax também são necessárias para o diagnóstico de metástases.

Algumas substâncias produzidas pelo tumor caem na corrente sanguínea e podem aparecer em exames de laboratório simples. Elas são chamadas de marcadores tumorais e são o Beta-HCG, a Alfa-fetoproteína e o DHL.

O tratamento inicial do câncer consiste na retirada do testículo por uma incisão feita próxima da virilha respeitando todos os princípios oncológicos para a cura da doença. A quimioterapia e a radioterapia podem ou não ser necessárias após a cirurgia.

O câncer de testículo pode afetar homens que ainda não têm filhos e o tratamento pode causar impacto na fertilidade masculina. Portanto, existe a possibilidade de congelar espermatozoides antes do tratamento definitivo com o objetivo de ter filhos no futuro.

Quanto ao aspecto estético, hoje são utilizadas próteses testiculares que podem ser implantadas no ato da retirada do testículo, sem prejuízo estético ou oncológico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
Estar atento a sintomas do câncer de rim é primordial para seu tratamento.
Próximo post
Estimulantes sexuais: uso inadequado e sem prescrição pode ser prejudicial à saúde